sábado, 16 dezembro, 2017

Prefeitura de Viamão realiza ação sobre a violência contra as mulheres em Águas Claras

Em alusão aos 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres,  na tarde desta terça-feira (05), a Coordenadoria da Mulher, em parceria com a Delegacia da Mulher de Viamão (Deam), realizou uma ação de divulgação e registros, em Águas Claras. A Deam levou a Delegacia Móvel e estacionou em dois pontos da região: em frente à Subprefeitura e em frente à Unidade de Saúde Águas Claras.  

A ação visou esclarecer a população sobre casos de violência doméstica e sexual e a Delegacia Móvel registrou todo tipo de ocorrência. De acordo com a coordenadora da Mulher, Bruna Garcia, a ação encerrou as atividades dos 16 de dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, que iniciou dia 20 de novembro. Também foi prestado orientação sobre o atendimento psicossocial realizado pela Coordenadoria da Mulher às mulheres em situação de violência. “São atendimentos oferecidos para as usuárias que estão passando por uma situação de violência. Os atendimentos são realizados por uma assistente social e uma psicóloga, numa perspectiva de empoderamento e inclusão social. O serviço também oferece atendimento individual ou em grupos de apoio, palestras de prevenção à violência, encaminhamento para o Departamento Médico Legal (em caso de abuso sexual), exames de profilaxia e abrigamento, em casos de risco eminente de morte”, explica Bruna.

Outra atividade realizada pela Coordenadoria da Mulher referente aos 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres foi a I Capacitação da Rede de Apoio à Mulher em Situação de Violência, no dia 27 de novembro, no auditório do Sesc. O evento destacou a rede de apoio que o município oferece para acolher as mulheres e o passo a passo dos encaminhamentos a serem realizados.

Mais sobre os16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres:

– A Campanha inicia dia 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra – pelo reconhecimento histórico da opressão e discriminação contra a população negra e, especialmente, às mulheres negras brasileiras, que têm suas vidas marcadas pela opressão de gênero, raça e classe social;

– O Brasil é considerado o maior exportador de mulheres para fins de exploração sexual e comercial na América Latina. São meninas e jovens entre 15 e 27 anos, em sua maioria negra;

– No Brasil, a cada 7,2 segundos, uma mulher é vítima de violência física, segundo dados do Relógio da Violência, do Instituto Maria da Penha. Essa triste estatística mostra a importância do engajamento de toda a população no combate à violência contra a mulher;

– Coordenadoria da Mulher – Avenida Senador Salgado Filho, 9214, PAS (parada 55). Telefone para contato: 3446.6301.